homebrew

Conheça o Homebrew – o gerenciador de pacotes que potencializa oseuMac!

O Homebrew instala as coisas que você precisa que a Apple não forneceu para você.

 

$ brew install wget
O Homebrew instala os pacotes em seu próprio diretório e cria link simbólicos dos seus arquivos dentro de /usr/local.

$ cd /usr/local

$ find Cellar

Cellar/wget/1.15

Cellar/wget/1.15/bin/wget

Cellar/wget/1.15/share/man/man1/wget.1

$ ls -l bin

bin/wget -> ../Cellar/wget/1.15/bin/wget

O Homebrew não instala arquivos fora de sua estrutura, e você pode colocar a instalação do Homebrew onde desejar.

Crie facilmente seus próprios pacotes para o Homebrew.

$ brew create http://foo.com/bar-1.0.tgz

Created /usr/local/Library/Formula/bar.rb

O Homebrew é baseado unicamente em Git e Ruby: agora você pode desenvolver tranquilo, com a certeza de que você pode desfazer as alterações e integrar atualizações com facilidade.

$ brew edit wget # opens in $EDITOR!

Homebrew formulas são simples scripts em Ruby.

require “formula”

class Wget < Formula

homepage “http://www.gnu.org/software/wget/”

url “http://ftp.gnu.org/gnu/wget/wget-1.15.tar.gz”

sha1 “f3c925f19dfe5ed386daae4f339175c108c50574″

def install

system “./configure”, “–prefix=#{prefix}”

system “make”, “install”

end

end

O Homebrew complementa o OS X. Instale suas gems com gem, e suas dependências com brew.

Instale o Homebrew

ruby -e “$(curl -fsSL https://raw.github.com/Homebrew/homebrew/go/install)”

Copie esse código para um prompt do seu Terminal.

O script explica o que irá fazer e faz uma pausa antes de ser executado. Há mais opções de instalação aqui (necessário para 10.5).

Foto do logotipo do Bower

Conheça o Bower, um gerenciador de pacotes que vai te ajudar muito!

Por muito tempo o desenvolvimento de interfaces foi uma coisa bastante amadora, mas a história mudou (e ainda está mudando) desde o surgimento do Node.js. Por causa dele, uma série de ferramentas extremamente úteis foram criadas e este é o caso do Bower.

Bower é um projeto que permite gerenciar dependências client-side de uma maneira bastante simples. Em vez de ter que entrar no site de cada projeto que você quer usar e baixar os arquivos necessários, você pode automatizar este processo criando um arquivo de manifesto.

Conheça neste artigo como o Bower funciona e como integrá-lo ao Rails.

Instalando o Bower

O Bower precisa do Node.js para funcionar. Se você ainda não tem Node.js instalado, acesse o site do projeto e faça o download da versão do seu sistema operacional.

Depois, basta instalar o Bower globalmente com o NPM (Node Package Manager).

$npm instalo −g bower

Estamos em um momento muito bom do front-end. Muitas ferramentas como Bower e Grunt permitem automatizar tarefas e melhorar o processo de desenvolvimento sem muito esforço, mesmo quando você não pode contar com facilidades de frameworks como o Rails e o asset pipeline.

O papel do desenvolvedor front-end está ficando cada vez mais próximo de um back-end. Embora alguns ferramentas possam ser utilizadas através de interfaces gráficas, quase sempre você precisará utilizar o terminal. Perca o medo de usá-lo. Você só terá a ganhar com isso.

Post original:http://simplesideias.com.br/gerenciando-dependencias-client-side-com-bower

daniel-filho-campus

Entrevista com Daniel Filho

Olá, tivemos o prazer de entrevistar um dos desenvolvedores mais requisitados do mercado, podcaster e membro ativo das comunidades de Javascript. Confira um pouco da vida e projetos de Daniel Filho!

PERFIL

Data de Nascimento:

02/82

Cargo / Função:

Desenvolvedor web — estou numas de que as pessoas precisam ser desenvolvedoras, entender de lógica geral, sem um escopo específico. isso só melhora o entendimento como um todo e traz mais valor profissional

Empresa(s) Atual(is):

trabalho em período integram na Netshoes, somos o maior e-commerce de esporte do mundo de acordo com o guia Internet Retailer.

tenho um podcast que considero um trabalho, que é o Zone Of Front-Enders (ou ZOFE), e apresento junto do Zeno Rocha. mas esse pode entrar como um hobby também :)

sou membro da fundação BrazilJS e também o criador da iniciativa FEMUG, além de manter o FEMUG-SP (mais aqui: http://github.com/braziljs/femug).

também ajudo a Mozilla como voluntário no time de compatibilidade web, pro firefox os, mas ando meio “inativo com isso”.

Formação acadêmica:

comecei ciência da computação na universidade anhembi morumbi, mas não terminei.

Tem algum ídolo ou referência em sua área que te inspira? (Pode listar por área, se preferir)

na minha área eu admiro muita gente, vou dar o nome e o porque:

  • eduardo shiota (@shiota): ele tem uma harmonia perfeita entre desenvolvimento e entendimento de problemas que, no meu ponto de vista, pouca gente tem.
  • leonardo balter (@leobalter): o leo é um cara dedicado. se ele encana com uma coisa, ele vai até o fim e acaba se tornando referência no assunto, além de ter paciência pra passar o que conhece.
  • rick waldron (@rwaldron): o cara é uma pessoa com uma mente iluminada. ele faz parte da TC39 e criou uma maneira de acessar hardware via javascript. acho isso fantástico

Cursos e treinamentos já realizados:

fiz datilografia em 1995, um curso de desenvolvimento para iOS em 2011, mas nunca usei nada desse curso.

mas teve um curso que mudou minha vida, e eu pretendo fazer ele de novo (sim, fazer o mesmo curso de novo). Matemática Aplicada à Vida pelo professor Agnaldo Ricieri, no Museu da Matemática.

PRODUTIVIDADE

Tem uma rotina diária? Como administra seu tempo?

basicamente eu chego no trabalho e me atualizo. leio meus rss feeds, minha lista de desenvolvimento do twitter (twitter.com/danielfilho/webdev). depois disso trabalho, quando vou pra casa geralmente jogo ps3 a noite, leio um livro quando na cama (e no caminho de/para o trabalho). de final de semana costumo programar coisas pra aprender, tipo mexer em algum novo framework ou ler alguns artigos acumulados durante a semana.

Quais ferramentas utiliza para aumentar a sua produtividade?

  • ifttt (ifttt.com): ajuda bastante com receitas simples mas que ajudam a concentrar tarefas em menos lugares.
  • slack: na Netshoes usamos slack pra comunicação dos/entre os times de tecnologia, com uma sala pra cada projeto e uma pra cada divisão de equipe, isso ajuda bastante. deixamos nosso github ligado nas salas, então todas as mensagens pertinentes ao projeto pro time de desenvolvimento acabam ficando por ali.
  • evernote: anoto absolutamente tudo relativo ao trabalho e informações pessoais também no evernote. tenho uma conta premium pra desbloquear algumas características bem bacanas. mantenho reuniões, viagens, projetos, listas de tarefas etc. uma curiosidade: demorei quase CINCO anos pra começar a usar o evernote da maneira que uso hoje. se você tentou começar e não curtiu, a dica é: não desista! é um app absolutamente poderoso.

Na sua opinião, quais são as principais dificuldades para aprender a programar?

vontade, tempo e dedicação. você PRECISA ter esses três pra aprender, uma vez que você tem, tudo flui muito fácil e você começa a sentir falta de “algo”. eu descobri que esse “algo” é ensinar (no meu caso). ajudar de alguma maneira, compartilhando o pouco que sei com quem tem interesse em aprender, e tem vontade disso. isso me ajudou a começar fazer apresentações por aí :)

Utiliza técnicas de métodos ágeis? Se sim, qual e o que mudou ao adotar?

já trabalhei com scrum, já trabalhei com kanban atendendo um time de scrum. acredito em alguns itens de XP e, particularmente, não gosto de coding dojo. acho tosco e meio sem sentido (mas é minha opinião, minha cabeça é meio quadrada pra isso). admiro muito quem consegue tirar proveito de dojos :)

acho saudável ter alguns minutos por dia, todo dia, pra deixar claro pro time o que foi feito, o que está fazendo e quais os planos pro próximo dia. o review de um sprint também é valioso, pro time ir deixando de fazer coisas erradas e passar a melhorar os processos.

Trabalha remotamente? Se sim, como é a experiência de trabalhar em home office? Percebe diferenças na produtividade?

esse é um assunto extenso e tenso. pra se trabalhar remoto, é necessário ter uma maturidade profissional muito grande e uma disciplina ainda maior. a tentação da procrastinar é imensa, se você não tiver uma auto-disciplica forte, esqueça.

eu já trabalhei pra uma startup americana durante meio ano, e o trabalho era remoto. é fantástico, mas era uma época que eu tinha dois trabalhos (trabalhava no iG e pra essa startup). foi tenso manter tudo assim, mas foi uma experiência única.

EMPREENDEDORISMO

Na sua opinião, qual a maior dificuldade ao empreender no Brasil?

o próprio Brasil. não acredito em startups brasileiras, conheço uma ou outra que realmente tem seu valor e não é um verdadeiro oba-oba. aqui as pessoas não entendem a ideologia da coisa, o que se vê é um cara de blazer, um macbook no braço, alguns pufes amarelos espalhados num “open office”, pizza, refrigerante e zero responsabilidade ou respeito com o próximo. com o negócio e especialmente, com o profissional.

DESENVOLVIMENTO

Como se interessou pela área de desenvolvimento?

rapaz, foi amor a primeira vista. comecei muito cedo, mexendo no código de um jogo em Basic e depois disso foi só

É possível descrever como a programação mudou a sua vida?

sim, e de forma bem simples. absolutamente tudo que sou hoje é graças a programação. eu amo o que faço, me divirto trabalhando e estudando e ainda me pagam pra isso. acho que quando você consegue trabalhar em algo que você ama incondicionalmente, o negócio flui. imagina se eu programasse bem?

o dia que eu parar de me divertir e curtir como curto, fazendo o que faço, abro meu restaurante. hahaha

Tem algum projeto open-source bacana que queira compartilhar com a gente?

eu já ajudei em alguns projetos, mas últimamente ando bem parado com isso (o que é uma vergonha). entre alguns que ajudei no passado estão: html5 boilerplate, yeoman, move the web forward etc.

comecei há pouco um projetinho que partiu de uma necessidade de organizar algumas informações no GitHub, ainda tá em desenvolvimento fechado, mas jajá abro ele

PROJETOS

Como foi iniciar um podcast sobre front-end? Como está sendo a aceitação por parte da comunidade?

foi um lance bacana. a idéia veio numa época que eu consumia bastante podcast, relacionados e não com desenvolvimento. convidei o Zeno e ele topou na hora. bolamos um “formato-sem-formato” (falo assim porque o único formato que temos é a ordem das coisas) e pimba… rolou :)

MAMILOS* :)

Recentemente, no RSJS (Risos JS) você fez um keynote sobre a comunidade e o bullying que dev’s fazem com os próprios colegas dev’s. Quais fatores acha que levou a esse preconceito entre membros da mesma comunidade?

é normal, toda comunidade passa pelas mesmas dificuldades, pela mesma falta de personalidade até se encontrar e pelos mesmos momentos. acredito que estamos amadurecendo muito rápido, mas não da pra todo mundo ir no mesmo ritmo. o preconceito não é ligado diretamente com a comunidade, mas sim com cada pessoa. criação, passado, presente, dificuldades e facilidades que cada um passa e passou.

cabe a todos nós ajudarmos uns aos outros, identificar os “pontos de estrangulamento” sempre que possível e ajudar ao máximo, mesmo que seja não atrapalhando – como eu disse em um slide.

resumindo: você tem todo direito de não gostar de alguém ou algum tipo de pessoa, desde que isso não interfira em qualquer pessoa além de você. guarde seus preconceitos numa caixinha, e use quando estiver sozinho (até você esquecer que aquela caixinha existe. o que é ideal)

TECNOLOGIAS

Qual o tipo de app móvel você acha matadora e que serve de exemplo para novas apps?

Tem um app para todo lists que eu acho sensacional, é baseada em gestos e tem uma interface ultra limpa. O nome é “Clear”.

O que acha da nova onda de wearable devices? Quais você utilizaria/usa?

Eu gosto bastante tecnologia. Muito mesmo. E tenho esse problema de querer ter tudo que é novo.

Acho esse lance de wearables demais (mas já aviso que acho o Google Glass ridiculamente estúpido). Gosto muito de dispositívos que sejam discretos ou que não me façam parecer um alienígena.

Uso o Pebble porque a vida toda usei relógio de pulso. Também uso o fitbit flex, por ser absolutamente discreto e, como sou data freak, sei de informações e hábitos do meu dia-a-dia.

Quais tecnologias crê que serão bastante utilizadas nos próximos 5 ou 10 anos?

Minha bola de cristal USB tá pifada

Brincadeira, mas de verdade. Não faço nem idéia, mas acho que os wearables e biometria são um caminho natural.

PESSOAIS

Tens algum hobby ou atividade cultural que exerce?

Cara, por falta de um tenho uma penca. Eu gosto muito de atirar nos finais de semana que vou pra Americana, e esse é o hobby que mais ando me dedicado. Quando estou em sampa jogo muito video-game, tenho um Clã de Battlefield 4 com o Rafael Rinaldi, Leo Balter e o Coragem (um cumpadre de Curitiba).

Tem algum gadget favorito que está sempre com você?

Um? Eu sou quase um ciborgue. Hahaha! Mas um cara que tá sempre comigo é meu Pebble :)

Quais músicas / podcasts estão sempre em sua playlist?

Eu sou bem eclético, de verdade. Eu uso hoje spotify, então podem dar uma olhada nas músicas lá pelo link: http://open.spotify.com/user/dnlflh Mas meu coração pertence ao Death Metal. Eu sou pirado em bandas como Death, Carcass, Morbid Angel e mais um monte de coisa boa, mas ando ouvindo bastante Anaal Nathrakh, Mastodon, The Dillinger Escape Plan, Faith No More, Ghost B.C. etc. Sobre podcasts, eu ouço os seguintes: ZOFE (o melhor podcast já criado por um ser humano), JavaScript Jabber, ShopTalk, NodeUp, Build Podcast, The WebGL Podcast, The Changelog e Matando Robôs Gigantes (MRG).

Na sua opinião, quais filmes são fundamentais assistir antes dos 30?

Agora você apelou comigo. Eu sou aficcionado por cinema, mas não sou daqueles “chatos do cinema iraniano”; aliás, admiro quem tem saco pra isso, de verdade. Eu sou muito apaixonado por alguns filmes, vou tentar resumir ao máximo: The Shining (meu favorito), Låt Den Rätte Komma In (a fotografia mais incrível da história), Vertigo, Fight Club, Donnie Darko, Pulp Fiction, Alien (trilogia), American History X, Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb, O Som Ao Redor e Blade Runner.

Tem um resumo de filmes que gosto (e não) aqui: https://mubi.com/users/2175461

Curte games? Se sim, quais games tem jogado recentemente?

Se curto? Sou tarado por games. Mas ultimamente tenho me dedicado a Battlefield 4. Mas comprei (e comecei a jogar) Watch Dogs e Metal Gear Solid V. Sobre MGS, pra mim é assim: Hideo Kojima no céu, e nóis na fita. HAHAHA!

Gosto tanto de Kojima que o nome do Podcast – Zone Of Front-Enders – vem de um jogo dele: Zone Of The Enders ;)

O que compõe seu workspace?

No trabalho uso um MacBook Pro 15″ Retina, core i7 com 8GB de RAM, SSD e tudo mais. Segunda tela é um Dell 23″ Ultra sharp. Teclado e trackpad externos, da Apple. Fone de ouvido uso um Bose QuietComfort 15 (que uso pra viajar também). Mas meu hardware mais importante é uma AeroPress da Aerobie. Rapaz, isso salva vidas :D Em casa, um MacBook Pro 13″ Retina, 2.8GHz Core i7 com 16GB de RAM, SSD e tudo mais, com um monitor Dell Ultra Sharp de 27″, caixas de som Bose Companion 5, uma penca de componentes eletrônicos do lado (arduino, spark core, blue cortado etc.) e recentemente, ajeitei minha mesa pra ela funcionar como normal e stand-up desk.

workspacedanielfilhonetshoes
Meu desktop atual em casa

Para finalizar… tem algum sonho ou desejo que ainda não se realizou e que possa compartilhar conosco?

Sim. Três:

aprender a me organizar financeiramente.

viajar e conhecer um lugar novo em cada uma de todas as minhas férias à partir do ano que vem.

morrer na Suécia. mas confesso que não tenho pressa nesse item :D

images

5 excelentes aplicativos de gerenciamento de tempo

Se você é do tipo que “nunca tem tempo”, este artigo pode te ajudar a aumentar a produtividade e ter “tempo sobrando” :)

1. Toggl

A ferramenta ajuda a controlar o tempo e ver como ele passa, calculando a duração de cada tarefa. A vantagem do aplicativo é que ele guarda os dados em uma conta do Google. É possível ver, em gráficos, quanto do dia foi dedicado a que projeto. Também permite criar grupos e entender acompanhar como os outros colegas cumprem (ou não) os prazos. Além da versão para usar em um navegador, o Toggl pode ser instalado na barra de sistemas do computador e também foi lançado em versões para Android e iPhone.

2. Remember the Milk

A ideia é simples: não se esquecer de comprar o leite. E de nenhuma outra tarefa também. A ferramenta permite criar uma lista de tarefas diárias com interface simples, combinada com o calendário do smartphone. Pode ser sincronizado com a agenda do Google, aparecer como aplicativo do Gmail e tem versões para Blackberry, Android, iPhone e iPad.

3. Astrid Tasks

É um dos aplicativos preferidos para organizar a lista de tarefas, com 2,7 milhões de usuários. Apesar de disponível em inglês, é de fácil entendimento. A ferramenta traz lembretes divertidos e listas que podem ser sincronizadas com o computador, através do Google Tasks ou Astrid.com. O cadastro pode ser feito a partir de uma conta de Facebook ou Google. Está disponível em versões para Android e iPhone.

4. Evernote

O Evernote também é bastante célebre na gestão de tempo. Ele funciona, basicamente, para reunir tudo o que se quer tomar nota durante o dia, quase como se organizasse os diversos papéis de lembrete que ficam espalhados pela mesa. Permite criar listas específicas por assuntos, o que facilita na hora de voltar a ideias antigas. Pode ser instalado no desktop e em smartphones, com sincronização total.

5. Free Time

Não adianta pensar apenas no tempo gasto, é importante organizar o tempo livre. Esse aplicativo é para isso. O Free Time analisa a agenda do celular e separa o tempo em que não há compromisso nenhum. Com ele, acabam as desculpas de “estou sempre ocupado”. A ferramenta ainda permite compartilhar com os amigos em que momento pode ser marcado aquele o happy hour, por exemplo. Está disponível para produtos da Apple.

Mobile First

Mobile First – Conceito e cuidados básicos

Todo desenvolvedor front-end já deve ter ouvido falar em mobile first. Como o nome já diz, o modelo consiste em desenvolver o site com o foco em mobile. Com isso, muda-se muitos conceitos com os quais já estamos acostumados quando desenvolvemos primeiro a versão desktop.

Esse envolve o desenho do layout, a experiência de usuário, desempenho, tudo pensando primeiro no mobile.

Alguns detalhes que mudam:

Eventos onhover. Telas sensíveis ao toque não vão dar uma boa experiência com eventos onhover. Há a possibilidade de fazer funcionar, mas com certeza não deve ser a melhor experiência possível para o usuário.

Desempenho é um detalhe ainda mais importante. Velocidade de carregamento e tamanho de download do site são itens importantes. Alguns planos de internet mobile são pagos de acordo com o download e podem ter velocidades baixas (principalmente no Brasil). Fazer um site com uma experiência cara e lenta para o usuário não deve ser nada bom! Há também a limitação do hardware. O site não deve ser desenvolvido pensando nos smartphones high-end, sendo que a maioria usa smartphones de baixo custo (Android 2.3 ainda é o mais usado nessa categoria).

Simple and clean“. Quem acessa através do celular/tablet quer a informação rápida. A informação principal precisa ser encontrada facilmente. Sem “cliques” (ou “toques” se preferir). Sem muita leitura. É direto! Guarde os adicionais em um dropdown, por exemplo.

Recursos! Há muitos recursos que mobiles tem e desktop não (pelo menos não são “nativos”) como geolocalização e chamadas. Use-os!

Esses são apenas alguns detalhes básicos. Há muito estudo para desenvolver com excelência usando esse modelo, mas há muitas vantagens: melhor experiência para o usuário, site leve, detalhes estéticos ou coisas menos importantes viram “adicionais” na versão desktop e pode até mesmo ter um desenvolvimento mais rápido.

Este foi um post com o objetivo de introduzir a ideia do mobile first.

Até o próximo post!

Imagem de funcionamento de um ERP

10 Motivos para implantar um sistema ERP em sua empresa!

A palavra investimento leva a pensar imediatamente na relação custo x benefício. Primeiro se levanta o custo e depois se analisam os benefícios. Se o custo for alto, muitas vezes as empresas nem fazem a análise dos benefícios. Neste contexto, a alternativa usual para as pequenas empresas em relação a sistema ERP costuma ser as boas e velhas planilhas.

O custo de um sistema ERP é alto e os benefícios nem sempre são quantificáveis de forma exata. O custo da planilha é praticamente zero, portanto comparar com o custo do ERP desestimula a análise dos benefícios. Por esta razão muitas pequenas empresas desistem de investir em ERP sem ao menos levantar os benefícios.

Mas, se a pequena empresa tem condição de honrar o investimento adequando ao seu fluxo de caixa, vale a pena levantar os benefícios e verificar os retornos que esta decisão pode trazer. Veja os principais benefícios que o sistema ERP pode trazer para a sua empresa:

1 – Centralização do controle: Tudo no universo tem um centro, tanto no sistema solar como nos átomos. Múltiplos centros levam à desorganização. A empresa também deve ter um centro de controle. O ERP centraliza as informações de todos os processos e diferentes departamentos em um único banco de dados.

2 - Evitar situação de calamidade operacional: O aumento do volume das transações e o uso intensivo de planilhas leva ao descontrole total e até à situação de colapso operacional. A consequência final pode ser o fechamento da empresa.

3 – Custo do uso das planilhas: Qual é o custo do uso da planilha e suas limitações? A resposta é o custo da mão de obra gasta tendo que digitar a mesma informação em dois ou mais lugares. Custo do retrabalho devido a erros causados por falta e demora da informação. A eliminação destes custos é um dos grandes benefícios do uso de um sistema ERP.

4 – Visão ampla e geral da empresa: O sistema integrado de gestão proporciona ao gestor uma visão geral da empresa em um lugar só porque elimina as diversas planilhas, uma para cada tarefa ou departamento. Consegue mostrar prontamente as informações mais importantes para a tomada das decisões e planejamento.

5 – Fluidez nos processos: No processo manual, uma venda é lançada na planilha de cliente. Lança a baixa na planilha de controle de estoque e atualiza o saldo do estoque. Depois atualiza a planilha financeira, e assim por diante. O sistema ERP faz todas estas operações de forma automática e sincronizada, dando fluidez aos processos, eliminando o desperdício de tempo, mão de obra e material.

6 – Aumenta as vendas: No controle por planilhas, o orçamento é lançado mas não é verificado se teve a confirmação do recebimento, se teve retorno, etc, o que leva ao esquecimento e perda da venda. No ERP existe mecanismo de verificação automática para que isso não aconteça. O sistema emite diariamente relatório das propostas, sua situação e medidas a serem tomadas.

7 – Melhora a gestão: Imagina uma venda encadeando a emissão da NF, o romaneio para a separação do produto e expedição, baixa no estoque, verificação do estoque mínimo, gera uma ordem de compra, atualiza o sistema financeiro para controlar os gastos e recebimentos. Isto permite controlar os gastos, planejar as tarefas, controlar o cronograma e assim por diante.

8 – Flexibilidade: A grande vantagem das pequenas empresas está na agilidade e flexibilidade de adequar-se às necessidades de mercado ou condições impostas pelos compradores. Na hora de escolher um ERP é preciso buscar softwares que permitam fazer as adequações necessárias para manter a flexibilidade dos negócios.

9 – Pensar no longo prazo: ERP é investimento a longo prazo. O fornecedor de sistema será o seu parceiro por muito tempo. Procure por um fornecedor que tenha tradição, experiência, estrutura e qualidade no suporte aos usuários. Selecione o sistema que proporcionará o melhor custo-benefício através do tempo de utilização do sistema.

10 – Obsolescência tecnológica: Para que o sistema não fique obsoleto e o investimento não seja perdido em curto prazo, o software precisa ser atualizado constantemente para acompanhar a evolução tecnológica. Se não, em breve, você estará com um dinossauro nas mãos.

Enfim, nem sempre as pequenas empresas precisam de todos os módulos que compõem o pacote do ERP. Neste contexto é interessante buscar soluções implantadas modularmente de acordo com a necessidade e adicionadas conforme o crescimento dos negócios. Além de reduzir o investimento inicial, isso facilitará a implantação de um sistema ERP nas pequenas empresas, iniciando-se uma nova cultura organizacional.

Matéria completa: http://corporate.canaltech.com.br/noticia/erp/Os-dez-motivos-para-pequenas-empresas-investirem-num-sistema-ERP/#ixzz30wnSr1wt

5246587645_85ff331848_o

Entrevista com Fabiano Meneghetti da Zee

Data de Nascimento:

16/06/1981

Cargo / Função:

Designer – Sócio fundador da Zee

Empresa Atual:

logotipo da empresa Zee
logotipo da Zee

Formação acadêmica:

Arquitetura

Tem algum ídolo ou referência em sua área que te inspira? (Pode listar por área, se preferir)

Na internet não tenho muitos ídolos, mas desde a faculdade sou fã da ousadia do arquiteto Frank Ghery. No esporte é onde tenho as pessoas que mais admiro e me inspiram. Posso citar o foco e disciplina do surfista Kelly Slater, 12 vezes campeão do mundo, e também o carisma e determinação do eterno Senna.

Cursos e treinamentos já realizados:

Somente cursos básicos de internet, lá em mil novecentos e alguma coisa. Depois fui estudando e aprendendendo por conta própria.

Como se interessou pela área de arquitetura?

Sempre gostei de desenhar e acreditava que arquitetura era a profissão que eu queria seguir. Apesar de não ser o que trabalho hoje é um curso realmente apaixonante.

Como foi migrar da arquitetura convencional para o digital?

Durante a faculdade eu tive algumas cadeiras de design e a partir de então meu foco em relação ao que eu queria seguir como carreira começou a mudar. Nesta época eu já conhecia o Fabio, com quem mais adiante iria fundar a Zee. Começamos a fazer alguns trabalhos juntos, basicamente na área de design gráfico e web. Com o tempo passamos a trabalhar exclusivamente com internet, fui estudando e me interessando cada vez mais pela experiência do usuários e por desenhar interfaces simples de se utilizar. A metodologia que eu aprendi na arquitetura, a forma de pensar o projeto, a integração de equipes, tudo isso consigo reconhecer que me ajudam muito para trabalhar em projetos web hoje.

É possível descrever como o design mudou a sua vida?

Essa eu nunca tinha parado para pensar, mas as vezes uma pequena escolha já muda completamente o curso da nossa vida, quanto mais a escolha da profissão. Talvez se não fosse o design hoje eu ainda estaria trabalhando com arquitetura.

Tem uma rotina diária? Como administra seu tempo?

Levanto entre 7 e 7:30, solto meus dogs, passo um café e sento para ler algumas notícias e organizar meu dia, tanto as tarefas de trabalho, como coisas de casa e se preciso fazer algo na rua, pois trabalho home-office. Isso vai até umas 9:00. A partir deste horário meu dia varia bastante, mas tento na media do possível conciliar o trabalho até as 18h. Claro que tem determinados momentos do projeto que é preciso extender um pouco mais, mas não é o costume. Na noite, antes de dormir gosto de ler, ou algum livro ou artigos que vou sempre salvando no meu Instapaper.

Quais ferramentas utiliza para aumentar a sua produtividade?

Uso basicamente 3 serviços para gerenciar minhas tarefas: Google Tasks, Google Calendar e Basecamp. Já testei diversos serviços, métodos de gerenciamento de tarefas e estes são os mais simples e que atendem perfeitamente ao que preciso.

Ainda escreve para o blog Abduzeedo? Como foi participar do inicio do blog?

Escrevo sim. Tenho 3 posts semanais, assim como faço um revezamento com outro escritor para o Daily Inspiration, uma das series de posts de maior acesso do blog. Minhas leituras de manhã cedo são muito por causa destes posts, para separar matérias e inspirações para postar.

O início do blog foi meio loco, o Fabio teve a ideia a partir de um roubo do nosso escritório (acho que todos já sabem dessa história!), era meio o início dos blogs, tínhamos o Digg para alavancar acessos, começaram a aparecer escritores interessados em postar pro Abduzeedo e foi crescendo. Tiveram momentos que dividíamos as tarefas da Zee de forma a deixar o Fabio focado no blog, o que foi extremamente importante, pois até hoje ele é um grande canal de divulgação e reconhecimento para a Zee.

Conte-nos um pouco sobre os novos projetos da Zee na comemoração dos 10 anos da empresa, apenas se possível.

Não temos tantas surpresas, foram feitos alguns selos comemorativos, já que utilizamos bastante o serviço dos Correios para envio de notas e contratos.

selos zee - 10 anos
Selos de comemoração de 10 anos da Ze

Estamos fazendo uma ação com 10 imagens expressando tudo que a Zee representa hoje para nós e para quem já trabalhou conosco.

imagem comemorativa de 10 anos da zee
Uma das imagens comemorativas de 10 anos

Além disso estamos lançando um projeto novo em alguns dias e ainda este ano vamos ter a nova versão do Openjobs e finalizar 2014 com o novo site da Zee.

Como foi ver o crescimento da empresa no mercado e participar de projetos como Apps e Portais?

Participamos de projetos de portais muito importante, entre eles eu citaria o ClicEsportes (RBS – 2010), Viajeaqui (Editora Abril – 2011) e Dafiti (2013-2014). Para mim alcançar este porte de cliente é o real objetivo da empresa, é o sinal de que estamos no caminho certo.

Nestes últimos anos também, com o surgimento de diversas startups, estamos tendo também a oportunidade de trabalhar com o outro lado, os clientes que recém estão abrindo empresa, ou apenas tirando uma ideia do papel, é outra experiência, da para ver a paixão de começar um negócio próprio e a vontade que dê certo.

Na sua opinião, quais são as principais dificuldades para empreender no Brasil?

Sem dúvida são os impostos, mesmo para pequena empresa é um absurdo o valor que se paga em cima de cada nota. Falta também mais incentivo para quem tem vontade de abrir uma empresa nova e até mesmo criar um serviço ou produto. Vejo que está melhorando, existem ações isoladas mas que não seguem o ritmo que deveria. Existe muita gente boa empreendendo, mas vejo o outro lado, muitas pessoas sem uma ideia concreta, sem um projeto bem pensado querendo fazer sucesso na web

Tem algum hobby ou atividade cultural?

Gosto de surfar e passear com os cachorros. Tenho 4 labradores que precisam de atividade constante!

Já trabalhava remotamente antes de ir morar em Santa Catarina? Como foi a adaptação ao mudar de estado?

Tivemos 2 escritórios em Porto Alegre, de 2004 a 2008, a partir de 2009 então começamos a trabalhar remoto. Desde que conheci a Renata (hoje minha esposa e sócia) tínhamos a ideia de vir morar em Garopaba / SC, fomos amadurecendo a ideia, organizando como seria o contato com os clientes de outros estados e aos poucos começamos a planejar efetivamente a mudança.

A adaptação foi relativamente tranquila, pois já conhecíamos bem a cidade, depois foi só questão de tempo para acostumar com as viagens de trabalho.

Tem algum gadget favorito que está sempre com você?

Só meu iPhone mesmo.

Quais músicas / podcasts estão sempre em sua playlist?

Eu escuto de tudo um pouco, desde The Killers, Bob Marley, até Face to Face. Depende do momento.

Na sua opinião, quais filmes são fundamentais assistir antes dos 30?

  • Curtindo a vida adoidado – É divertido e marcou minha época.
  • Poderoso Chefão – A trilogia é uma obra prima.
  • Encontro Marcado – Tem uma mensagem belíssima.

O que compõe seu workspace (computador, monitores, mouse, teclado, fones de ouvido, etc)? (se souber especificar cada item é melhor)

  • MacbookPro com monitor extra.
  • Mouse Microsoft.
  • Teclado com fio Apple.
  • Fones Apple.
  • iPad e iPhone também tão sempre junto para testes de navegação.

Para finalizar… tem algum sonho ou desejo que ainda não se realizou e que possa compartilhar conosco?

Meu desejo é de conhecer muito lugar ainda nesse mundão. Tenho também sonho de acertar na loteria, mas como eu não jogo acho que esse vai ser bem difícil conseguir!

Diagrama do funcionamento de um sistema ERP

O que é um Sistema ERP? Devo implantar em minha empresa?

1. O que é Sistema ERP (Enterprise Resource Planning)?

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

O objetivo de um Sistema ERP é centralizar as informações e gerir o seu fluxo durante todo processo de desenvolvimento da atividade empresarial, integrando os setores da organização e possibilitando aos gestores acesso ágil, eficiente e confiável às informações gerenciais, dando suporte à tomada de decisões em todos os níveis do negócio.

Construídos sobre um banco de dados centralizado, os sistemas ERP consolidam todas as operações de uma empresa em um único sistema, que pode residir em um servidor centralizado, ser distribuído em unidades de hardware autônomas em rede local ou ser hospedado remotamente via web.

Os sistemas ERP abrangem cada passo da operação, desde as compras, provisões, planejamento, manufatura, formação de preços, contas a pagar e receber, processos contábeis, controle de estoque, administração de contratos, venda de serviços e todos os níveis de comércio varejista ou atacado, passando pela gestão eficaz dos relacionamentos com clientes e fornecedores, pós-venda, análise de resultados e muitos outros fatores personalizados, altamente adaptáveis a qualquer empresa, em qualquer ramo de negócios.

O uso de um Sistema ERP em uma empresa dá a seus gestores o controle total sobre a empresa, auxiliando na tomada de decisões e fornecendo todas as informações vitais de maneira acessível e clara.

2. Quais são os objetivos da implantação de um Sistema ERP?

Os Principais objetivos da implantação de um sistema ERP são:

  • Automatização de tarefas manuais;
  • Otimização de processos;
  • Controle sobre as operações da empresa;
  • Disponibilidade imediata de informações seguras;
  • Redução de custos;
  • Redução dos riscos da atividade empresarial;
  • Obtenção de informações e resultados que auxiliem na tomada de decisões e permitam total visibilidade do desempenho das áreas da empresa.

3. Quais os Benefícios da implantação de um Sistema ERP em uma empresa?

  • Aumento na eficiência do uso da capacidade instalada;
  • Blindagem contra fraudes e furtos;
  • Redução de erros;
  • Eliminação de retrabalho;
  • Melhor proximidade e conhecimento sobre os clientes (CRM);
  • Informação precisa e segura, sincronizada em tempo real com as operações da empresa;
  • Padronização dos processos em todas as áreas, com integração e uniformidade;
  • Redução de despesas administrativas, gerais e de vendas;
  • Queda nos custos de estoque;
  • Redução em custos de materiais;
  • Redução do ciclo de venda;
  • Reduz o lead time de produção e entrega;
  • Diminuição de impressão em papel;
  • Eliminação de erros de sincronização entre diferentes sistemas;
  • Controle sobre processos de negócios que envolvem diferentes departamentos;
  • Segurança da informação através da definição de permissões de acesso e log de alterações;
  • Facilita o aprendizado do negócio e a construção de visões comuns;
  • Favorece o desenvolvimento, a implantação e utilização de SGQs (Sistemas de Gestão da Qualidade) e adequação a normas como ISO e outras.

erp-3

4. Como deve ser a preparação para a implantação de um ERP?

As empresas fornecedoras de sistemas ERP projetam suas soluções para atender às variantes mais comuns dos processos empresariais, baseados nas boas práticas de negócio. Contudo, nem sempre a totalidade das atividades da empresa é contemplada pelo ERP.

Por isso, as empresas que desejam implementar um sistema ERP precisam adaptar seus processos para que o pacote ERP possa contemplar os processos existentes, de forma que esses mesmos processos sejam aprimorados e tornados mais eficientes pelo uso do Sistema Integrado. Negligenciar o mapeamento dos processos atuais antes de iniciar a implantação do sistema é uma das principais razões para o fracasso de projetos ERP.

Portanto, é crucial que as organizações executem um processo de profunda análise do negócio antes de escolher um fornecedor de ERP e do inicio da implantação do sistema. Esta análise deve delinear todos os processos atuais, possibilitando a seleção de um sistema ERP, cujos módulos padrão estejam mais bem alinhados com a realidade da empresa.

5. Como é a implantação do Sistema ERP?

As empresas de ERP atendem a um vasto leque de aplicações e processos empresarias; para tanto, produzem sistemas ERP complexos, que geralmente requerem mudanças significativas nos processos da empresa que implanta um software desta envergadura. A implantação de um sistema ERP é realizada normalmente pela própria empresa fornecedora do sistema.

Existem 3 tipos de serviços que podem ser empregadas na implantação: Consultoria, Customização e Treinamento.

O tempo necessário para implementar um sistema ERP depende do tamanho do negócio, o número de módulos, a extensão da customização e da disposição de todos os setores da empresa durante a implantação.

Os sistemas ERP são modulares, de modo que nem todos precisam ser implementados de uma só vez. Ele pode ser dividido em várias fases conforme a demanda da empresa no momento.

Devido à complexidade do processo de implantação de um sistema ERP, as empresas costumam procurar a ajuda de um fornecedor de ERP ou de empresas de consultoria terceirizadas.

6. Como é a configuração do Sistema ERP?

Configurar um sistema ERP é fundamentalmente uma questão de equilibrar a maneira que sua empresa requer que o ERP funcione e o alcance que a flexibilidade do sistema permite. O primeiro passo é decidir quais módulos serão utilizados; em seguida, adaptar o sistema para atingir o melhor ajuste possível aos processos da empresa, ou desenhar processos eficientes dentro das melhores práticas de negócio, muitas vezes conforme já contemplado pelo Sistema ERP escolhido.

Alguns módulos básicos são necessários a todas as empresas que implantam sistemas corporativos; outros, porém, não são necessários para algumas empresas e, portanto, não são habilitados.

Algumas empresas não adotam um determinado módulo, por já utilizarem sistema próprio para aquela função, que considerem suficiente para seus propósitos. De um modo geral, um maior número de módulos a serem implantados traz maiores benefícios pela integração das informações, mas também aumenta o investimento e a profundidade das mudanças envolvidas.

Então, quando as opções de configuração que o sistema ERP permite não são suficientes para atender ao que a empresa requer, é necessário contratar desenvolvimento específico, o que aumenta o tempo e o investimento requerido pela implantação. Por isso é importante buscar uma solução ERP que seja mais ampla, aderente e personalizável o possível. Pela consideração desses fatores, é naturalmente desejável e perfeitamente possível que se obtenha, numa implantação feita com qualidade e critério, o sistema ERP pode atingir o sincronismo perfeito com as atividades da empresa, como se houvesse sido feito sob medida, ou até mesmo superando um sistema desenvolvido especificamente por agregar recursos e possibilidades ainda não explorados pela empresa até então.

7. Devo contratar consultoria em ERP?

Muitas empresas não têm os recursos e habilidades internas suficientes para implantar um projeto ERP. Por isso muitas empresas fornecedoras de ERP também oferecem serviços de consultoria em implantação.

Normalmente, uma equipe de consultoria responsável pela implantação do sistema irá atuar em:

  • Planejamento;
  • Treinamento;
  • Implantação;
  • Testes;
  • Entrega.

Após a implantação, existem ainda consultorias sobre criação de processos e relatórios de conformidade, formação de produtos, workflow e consultoria especializada para melhorar a forma como o ERP é utilizado na empresa, visando otimizar o uso sistema e ajudar no processo de decisão, a partir dos dados extraídos pelo ERP.

8. Quais são os custos da implantação de um Sistema ERP?

Os custos da implantação de um sistema ERP variam conforme o número de licenças, de módulos que serão implantados, a complexidade das operações da empresa, a quantidade de horas de desenvolvimento específico e a quantidade de horas de treinamento dos usuários no sistema.

Como são muitos serviços envolvidos na implantação de um ERP, uma boa empresa de sistema ERP tem bastante flexibilidade em negociar os valores cobrados e várias modelos possíveis de implantação, portanto, negocie!

9. Como é a atualização do Sistema ERP?

Um bom sistema ERP deve ser evolutivo, para que, além de suprir as necessidades presentes de uma empresa, estejam atualizados para atender às novas demandas e ao crescimento do negócio.

O sistema ERP também deve manter-se atualizado com as inovações tecnológicas em hardware, sistemas operacionais, softwares complementares, novas práticas estabelecidas de negócios e exigências legais.

Portanto, um sistema ERP deve atender às necessidades que surjam da evolução natural da atividade empresarial e também introduzir a possibilidade de utilizar recursos até então inexistentes, agregando o valor ao negócio.

10. Qual a relação entre um Sistema ERP e a segurança das informações?

O sistema ERP possui recursos de segurança que, além de evitar falhas humanas, protegem a empresa contra crimes de sabotagem, espionagem, invasões de hacker e utilização indevida de informações privilegiadas.

Os principais mecanismos de controle consistem em criptografia, senhas individuais, limitação de acesso dos usuários e geração de histórico de uso, o que possibilita identificar os responsáveis por eventual má utilização do sistema.

Os sistemas ERP também disponibilizam ferramentas para realização de cópias de segurança e gerenciamento de Bancos de Dados, garantindo a guarda e a manutenção das informações que formam a “vida” da empresa em todos os aspectos.

Além da segurança interna também existem nos sistemas ERPs mecanismos para identificação de cheques fraudados, identificação de pessoas ou empresas com crédito negativado, conferência eletrônica de informações, conexões seguras com serviços online de bancos e órgãos governamentais, garantindo também a confiabilidade das informações trocadas por esse meio; backup interno periódicos pré-programados para resguardar as informações relativas as operações da empresa.

Post original: http://www.onclick.com.br/erp.php

imagem javascript

10 recursos úteis em javascript!

jQueryhttp://jquery.com/

Uma biblioteca javascript que facilita a manipulação do DOM, manipulação de eventos e requisições, usando menos código.

Demonstrações no site!

Chance.jshttp://chancejs.com/

Um gerador de números, strings, e caracteres “aleatórios”. Fácil e simples, é um bom recurso para gerar valores para testes ou valores aleatórios que não necessariamente precisam ser “true random” (http://chancejs.com/#true-random).

Demonstrações no site!

jQuery UIhttps://jqueryui.com/

Uma biblioteca para criar elementos de interface gráfica com jQuery. Alguns exemplos: Datepickers, Autocomplete, caixas de diálogo, tooltips, drag and drop, etc. Podem ser modificados com CSS.

Demonstrações: http://jqueryui.com/demos/

Flothttp://www.flotcharts.org/

Flot é uma biblioteca para gerar gráficos. Pode gerar diversos tipos de gráficos como pizza, barras, linhas, etc. É customizável através de opções de configuração e plugins.

Demonstrações: http://www.flotcharts.org/flot/examples/

AngularJShttps://angularjs.org/

Um framework javascript para construir páginas com HTML dinâmico, extendendo o vocabulário HTML. Possui muitos recursos, parecendo complexo inicialmente, porém de fácil aprendizado.

O site do AngularJS possui vídeos e tutoriais para aprender como utilizá-lo. Demonstrações no site!

SyntaxHighlighterhttp://alexgorbatchev.com/SyntaxHighlighter/

Uma biblioteca para estilizar código na página. Uso simples e possui diferentes formatações para cada linguagem.

Demonstrações: http://alexgorbatchev.com/SyntaxHighlighter/manual/demo

FlexSliderhttp://flexslider.woothemes.com/

Um completo, fácilmente customizável slider desenvolvido em javascript. Fácil configuração e manipulação do slider. É possível alterar o visual via CSS com fácilidade.

Demonstrações no site!

Parallaxhttps://github.com/wagerfield/parallax

Uma engine para criar o efeito parallax com javascript. Possuí diversas formar de configuração e implementação.

Demonstrações e documentação no link do github.

Gmapshttp://hpneo.github.io/gmaps/

Uma biblioteca para facilitar o uso da API do Google Maps. Usa orientação a objetos e possui uma grande documentação.

Demonstrações: http://hpneo.github.io/gmaps/examples.html

FancyBoxhttp://fancyapps.com/fancybox/

Uma ferramenta para disponibilizar conteúdo através da técnica conhecida como “lightbox”. Fácil uso e muitas opções de configuração e customização. O FancyBox é pago para uso comercial.

Demostrações: http://fancyapps.com/fancybox/#examples

Layout - página inicial Peta Perruge

Peta Perruge – Lançamento Abril/2014

No dia 09/04/2014, foi lançado oficialmente o novo site da Peta Perruge que é uma das casas de festas mais bonitas do Brasil.

O processo de concepção do layout, tipografia e recursos visuais foi realizado em parceria com as sócias da casa que possuem extremo bom gosto. O site é responsivo e otimizado para dispositivos móveis e resoluções não convencionais.

O projeto foi realizado em PHP / HTML5 / CSS3 e Javascript… o projeto foi totalmente pensado para o público-alvo da casa.

É possível conferir o resultado em http://www.petaperruge.com.br

Segue abaixo algumas telas do site para apreciação:

imagem do layout da página de contato
Página de localização
imagem do layout da página notícias no varal
Página Notícias no Varal
imagem do layout da página Nossas Decorações
Página Nossas Decorações
imagem do layout da página Nossas Festas
Página Nossas Festas
imagem do layout da página A Casa
Página A Casa
imagem do layout da página inicial
Página Inicial

Entrevista com Elton Minetto da CodeRockr

Foi um prazer entrevistar um dos brasileiros que mais inspiram nossa equipe em termos de metodologia, produtividade e desenvolvimento. Estou falando de Elton Minetto, desenvolvedor, empreendedor, escritor e professor… ufa, são muitas funções e ele consegue dar conta de tudo isso muito bem.

Foto Elton Minetto
Foto do RedHead

Data de Nascimento: 

15/11/1978 

Cargo / Função:

Atualmente sou CEO da Coderockr, empresa que ajudei a fundar em 2010.  Teoricamente eu sou responsável pela gerência da empresa e dos projetos, bem como contato com clientes e parceiros. Mas sempre que dá um tempinho eu ajudo na programação, só porque é divertido e mantém minha mente afiada. 

Empresa Atual: 

Logotipo coderockr 

 

 

Formação acadêmica:

Sou bacharel em Ciências da Computação. Fiz uma pós-graduação, também em Ciência da Computação e um MBA em Gerenciamento de Projetos. 

Tem algum ídolo ou referência em sua área que te inspira? Se sim, quais e o que te levou a apreciar os trabalhos?

É difícil escolher apenas um ídolo, porque admiro muita gente. Mas posso citar Eric Raymond, Richard Branson, Steve Jobs, Steve Wozniak e a galera que criou o Github.  

Cursos e treinamentos já realizados:

Eu sou meio autodidata então sempre aprendi as coisas sozinho, lendo e testando as tecnologias. Por isso fiz poucos treinamentos além da universidade. 

Com quais linguagens de programação você já trabalhou? Tem alguma que ainda quer aprender / trabalhar?

Já trabalhei com muita coisa: Cobol, PL/SQL, muito shell script, JavaScript, Java e principalmente PHP. Adoro a sintaxe do Python e gostaria de aprender e trabalhar com Go porque me parece que ela resolve problemas muito interessantes como concorrência e performance. 

Já trabalhou em algum projeto open-source? Quais?

Eu já colaborei com alguns projetos em vários níveis. Ajudei a traduzir algumas coisas do Ubuntu, criei uma distribuição linux para developers baseada no falecido Kurumin Linux, relatei bugs para o Doctrine e mais recentemente ajudei a escrever o suporte a Oracle para o Zend Framework 2, junto com um cliente da Coderockr. As pessoas as vezes esquecem que é possível colaborar com os projetos de diversas maneiras além do código: documentação, divulgação, tradução, palestras, etc. Tudo é válido e importante. 

Quais foram as dificuldades para aprender a programar?

Eu sempre gostei muito da área de tecnologia e programação, então sempre tive o entusiasmo e a vontade de aprender. Isso ajudou bastante para quebrar qualquer barreira que eu encontrei

Utiliza técnicas de métodos ágeis? Se sim, quais e o que mudou ao adotar?

Na Coderockr sempre usamos Scrum e recentemente começamos a usar Kanban, para podermos comparar os dois métodos. Ambos são muito eficientes, tanto para a equipe quanto para o cliente. 

O que te motivou a escolher a área de desenvolvimento de software?

Sempre gostei muito de tecnologia e tive ótimos professores quando comecei a aprender programação na universidade (entrei na universidade com 17 anos, então comecei relativamente cedo). Acho que isso ajudou bastante, mas o fato de você conseguir resolver problemas, gerar resultados apenas com a sua mente e seus códigos é algo fantástico e que todos deveriam tentar. 

Na sua opinião, quais tecnologias / linguagens de programação irão predominar no mercado nos próximos anos? 

As tecnologias e linguagens de programação envolvidas na geração de aplicativos para dispositivos móveis. Isso é algo que não tem mais volta, o mundo é móvel. E isso vai se expandir ainda mais com os computadores vestíveis. 

Em quais projetos está trabalhando atualmente? Se puder revelar, dar uma prévia do que será lançado em breve… 

No âmbito profissional estamos sempre criando coisas novas para nossos clientes, mas também estamos pensando em um novo produto que deve ser lançado em 2014 (ou não, dependendo do resultado do MVP que estamos desenvolvendo). No quesito “projetos pessoais” estou pensando em escrever um novo livro que espero conseguir terminar ainda este ano.  Gostaria de ressuscitar o BizAndCode, podcast que eu co-apresentava com um amigo em 2013, mas não sei se o tempo vai permitir. 

Tem algum gadget favorito que anda sempre com você?

O iPhone. O iPad Mini também é um companheiro de dia a dia, principalmente para ler notícias e livros. 

Quais músicas / podcasts estão sempre em sua playlist?

Heavy metal! Sou muito fã de metal e de suas vertentes mas também gosto de rock. Um dos meus vícios é descobrir bandas novas, estou sempre vasculhando o que está sendo lançado de rock e heavy metal.  E sou grande fã do Nerdcast e Matando Robôs Gigantes, meus companheiros diários de exercícios físicos.

Na sua opinião, quais filmes são fundamentais assistir antes dos 30 anos?

A trilogia Poderoso Chefão, todos os do Martin Scorcese, os do Tarantino e Clube da Luta. São formadores de caráter. 

Na sua opinião, quais livros são leituras fundamentais antes dos 30 anos?

Eu uso a literatura como válvula de escape, então é difícil para mim citar algum livro filosófico. Os livros do Tolkien, Admirável Mundo Novo, Neuromancer e os do Isasc Asimov estão entre meus favoritos.  E qualquer coisa escrita pelo Neil Gaiman. 

O que compõe seu workspace (computador, monitores, mouse, teclado, fones de ouvido, etc)? (se souber especificar cada item é melhor)

Atualmente uso um Macbook Pro 13” mid 2012, 2.3GHz Core i5, que eu incrementei com 16 GB de RAM. Estou namorando um Macbook Retina mas o preço ainda está me assustando um pouco.  Às vezes uso um monitor externo, mas não é algo obrigatório. No trabalho uso o fone de ouvidos do iPhone porque é prático e leve. Em casa uso o fone de ouvido do PS3 que é muito bom, apesar de pesar uma tonelada. 

Para finalizar, tem um sonho que ainda não realizou e pode compartilhar conosco?

Eu gosto muito de palestrar e ministrar aulas, então um dos meus sonhos é palestrar em um evento internacional, de preferência o TED. 

Acabei não perguntando e não deixei claro, mas Elton também já escreveu os livros Zend Framework na Prática (1 e 2), Doctrine na Prática e lançou a startup CodeSquad.

A humildade e disponibilidade de Elton para esta entrevista foi incrível, que siga assim e que tenha ainda mais sucesso na vida com a chegada da cegonha :)

Google PLus para empresas

Google Plus para empresas – Adição de Urls Amigáveis

O Google Places está cada vez mais integrado com o Google Plus.

Recentemente recebemos emails de notificação do Google para que as empresas cadastradas no Google Places “reservem” sua url amigável no Google Plus, sendo que as empresas neste mesmo processo são “obrigadas” a criar uma página no Google Plus (Como são espertinhos)

Segue abaixo um exemplo do que recebemos via email

Imagem email do Google Plus
Imagem do email recebido para utilização de urls amigáveis

Interessante é que realmente o Google demorou a implementar as urls amigáveis para páginas e eles praticamente vivem de boa indexação… agora é esperar para ver os resultados com as novas urls.

Site - Refeisul

Novo Projeto – Refeisul Refeições Industriais

O site da Refeisul Refeições Industriais foi para o ar e tem como objetivo aumentar a abrangência dos negócios e captar novos clientes no Rio Grande do Sul. Situada em Cachoeirinha, a Refeisul presta os serviços de 

  • Refeições transportadas
  • Refeições locais
  • Eventos
  • Café da manhã, Almoços, Lanches e Jantas
Logotipos dos clientes da Refeisul
Conheça alguns clientes da Refeisul

A empresa conta com frota própria, sede própria e atua há mais de 26 anos no mercado de alimentação.

Confira mais em http://www.refeisul.com

CakePHP-Framework

Dicas para começar a desenvolver um Plugin para CakePHP

Estamos desenvolvendo um painel de administração novo e adotamos o Cake como framework para o desenvolvimento. Para facilitar o desenvolvimento, algumas funcionalidades serão desenvolvidas como plugins. Eu nunca havia trabalhado com o Cake antes, então ao iniciar o desenvolvimento do painel e criar plugins foi um pouco complicado, mas ao analisar a estrutura do plugin e do Cake, percebe-se que eles são bem simples de entender.

Então, escrevo este post para compartilhar um pouco da experiência que estou tendo e ajudar o pessoal que quer começar a desenvolver plugins!

Vale lembrar que este post considera que você já tem algum conhecimento com o framework, pelo menos o tutorial de criação de blog disponibilizado no site do CakePHP (http://book.cakephp.org/2.0/en/tutorials-and-examples/blog/blog.html).

Caso não tenha feito, recomendo que faça antes de prosseguir e preste bastante atenção na estrutura do Cake e como ele funciona.

Obs.: Este post não é um tutorial, são dicas de utilização ;)

Não irei abordar as configurações iniciais do Cake, caso ainda não tenha o framework instalado, baixe-o aqui e extraia os arquivos no diretório do seu servidor web para acessá-lo pelo navegador (htdocs, www, etc). Feito isso, acesse-o pelo seu navegador e siga as instruções iniciais.

 A primeira dica é a criação da estrutura de um plugin.

A estrutura de diretórios de um plugin é quase a mesma do diretório ‘app’. Para não precisar criar cada diretório manualmente (Model, Controller, View, Config, Lib, etc), podemos usar o Console.

Abra o seu terminal (DOS no Windows) e vá até o diretório app/, no meu caso:

cd C:\xampp\htdocs\cake\app\

Depois digite:

Console\cake bake plugin NOME_DO_SEU_PLUGIN

É importante que você esteja no diretório app no console, senão os comandos podem não funcionar corretamente.

Ele vai pedir para você escolher o caminho onde criar a estrutura de diretórios para seu novo plugin. Existem dois lugares onde você pode colocar o seu plugin:

  1. No diretório ‘Plugin‘, dentro de app
  2. No diretório ‘plugins‘ no mesmo diretório onde está app

A diferença dos dois diretórios é que alguns desenvolvedores usam a mesma instalação do cake (core) para várias aplicações (app1, app2, app3, por exemplo), assim eles colocam os plugins que são usados por todas as aplicações no diretório ‘plugins’, ao invés de ter uma cópia do plugin para cada aplicação em app1/Plugin, app2/Plugin, etc.

Depois de escolher onde será criado o seu plugin, ele mostrará o nome do seu plugin e o diretório onde será salvo e perdirá a confirmação. Se estiver tudo certo, confirme e ele criará os diretórios.

A maioria desses diretórios estão vazios, exceto ‘Model‘, ‘Controller‘.

Em ‘Model’ terá o arquivo NOME_DO_PLUGINAppModel.php e em ‘ControllerNOME_DO_PLUGINAppController.php

De agora em diante usarei o nome do plugin como MyPlugin.

Esses arquivos funcionam exatamente como AppModel.php e AppController.php que estão em app/Model e app/Controller, respectivamente (tanto que eles estão herdando delas).

Porém há um detalhe que fazia eu me confundir um pouco:

// .../plugins/Myplugin/Model/MyClass.php App::uses('MypluginAppModel', 'Myplugin.Model'); class MyModel extends MypluginAppModel{ ... }

No nosso arquivo MyModel.php devemos ‘incluir’ a classe MyPluginAppModel para podermos extendê-la.

Para isso usamos o método ‘uses‘ da classe App.

O primeiro parâmetro é o nome da classe a ser incluída – MypluginAppModel – e o segundo é a qual pacote ela pertence. No caso ela está no diretório Model do plugin Myplugin, então ela pertence ao pacote Myplugin.Model.

Em MyPluginAppModel podemos ver:

App::uses('AppModel', 'Model'); class MyPluginAppModel extends AppModel { }

Obs.: Não é obrigatório, mas é um padrão do Cake.

Estamos incluindo a classe AppModel que pertence ao pacote Model. Informando apenas ‘Model’, sem nenhum nome a frente, por exemplo SomeName.Model, significa que estamos falando do pacote Model da aplicação (app/Model).

Se vamos usar alguma classe de outro diretório, podemos usar App::uses(‘JustAnotherClass’, ‘Myplugin.Vendor’); para o diretório Vendor dentro de Myplugin, por exemplo.

No atributo $uses em uma Controller também é necessário informar de onde vem a Model a ser usado naquela controller (nome_plugin.nome_classe).

class MyController extends MypluginAppController{ public $uses = array('Myplugin.MyModel', 'Myplugin.MyModelTwo'); }

Sempre que for informar uma classe do seu plugin para ser usada, coloque nome_plugin.nome_classe.

Outros lugares onde são usados nomes de classes:

- atributo $belongsTo, $hasMany das Models:

class MyModel extends MypluginAppModel{ public $belongsTo = array( 'MyModelTwo' => array( 'className' => 'Myplugin.MyModelTwo', // percebam aqui o nome do plugin mais o nome da classe, separados por ponto. ... }

Tudo isso é importante saber, mas há uma forma para que você não precise escrever tudo isso “a mão”.

Podemos usar o Console para isso!

Criando um Model chamado MyModel para o plugin MyPlugin:

...\htdocs\cake\app>Console\cake bake model MyModel --plugin MyPlugin

Ao executar o comando ele criará a model no diretório Model do plugin MyModel com as configurações padrão, por exemplo ele detectará a ‘primary key’ da tabela e seus relacionamentos, como também escreverá algumas validações conforme as regras dos campos da tabela (not null, apenas número para campos que recebem números, etc.).

Verifique se está tudo certo com as regras escritas e altere-as conforme sua necessidade!

Vale lembrar também que esse comando segue as convenções do cake. Ao digitar esse comando, ele procurará pela tabela my_model no banco de dados. Se ele não encontrar, uma mensagem de erro será mostrada no console.

Obs.: O mesmo que foi escrito para ‘cake bake model’ vale para ‘cake bake controller’!

Para carregar seu plugin, em app/Config/bootstrap.php digite:

CakePlugin::load('SeuPlugin', array('bootstrap' => true, 'routes' => true));

‘SeuPlugin’ deve ser o nome exato do diretório do seu plugin em app/Plugin ou /plugins.

O array de opções é opcional, mas se quiseres carregar as configurações do plugin em SeuPlugin/Config/bootstrap.php ou SeuPlugin/Config/routes.php esse array deve ser informado como no exemplo acima.

São dicas simples, mas que algumas não abordavam diretamente no manual e que eu passei um tempo pesquisando para descobrir.

Espero ter ajudado!

Até a próxima!

A solução web que você e sua empresa procuram!

This site is protected with Urban Giraffe's plugin 'HTML Purified' and Edward Z. Yang's Powered by HTML Purifier. 3886 items have been purified.